CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO ESPÍRITA: PACIÊNCIA, INDULGENCIA, FÉ, HUMILDADE, DIGNIDADE E CARIDADE.

segunda-feira, 5 de maio de 2014

9ª AULA - CURSO BASICO DE ESPIRITISMO 1º ANO - FEESP

PARTE A: FINALIDADES DA ENCARNAÇÃO

As sucessivas encarnações são os degraus que o Espírito galga no itinerário da perfectibilidade, ao submeter-se às limitações da existência corporal. Deste modo, as encarnações são necessárias em função do progresso moral e intelectual, para ascender à condição de Espíritos puros.

Quando na ERRATICIDADE o Espírito examina o que fez, reconhece seus erros ou acertos, traça planos e toma resoluções para mais uma etapa de aprendizado, submetendo-se às provas necessárias que farão parte de sua nova existência corpórea. Mas, esta nova experiência não significa para ele punição, e sim, uma condição necessária por força de sua condição moral.

1 - EXPIAÇÃO: "Deus os colocou num mundo ingrato para expiarem suas faltas, através de um trabalho penoso e das misérias da vida, até que se façam merecedores de passar para um mundo mais feliz". (ESE, Cap. III, ítem 13). A expiação consiste em o homem sofrer aquilo que fez os outros sofrerem, abrangendo sofrimentos físicos e morais, seja na vida corporal, seja na espiritual. Tais sofrimentos, quando suportados com resignação, paciência e entendimento, apagam erros passados e purificam o espírito que assim vai, encarnação após encarnação, libertando-se das imperfeições da matéria.

2 - PROVA: Em sentido amplo, cada nova existência corporal é uma prova para o Espírito que o leva a se aperfeiçoar, enveredando pelo caminho da perfeição. Esclarece o Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. VI, nº. 5: "Crede e orai! Porque a morte é a ressurreição e a vida é a prova escolhida, durante a qual vossas virtudes cultivadas devem crescer e desenvolver-se como o cedro". A prova às vezes confunde-se com a expiação, mas nem todo sofrimento é indício de uma determinada falta. O sofrimento pode ser uma opção do próprio Espírito com o objetivo de acelerar a sua purificação. Deste modo, a expiação será sempre uma prova, mas a prova nem sempre será uma expiação (ESE, Cap. V, nº 9).

3 - MISSÃO: Todos têm uma missão a cumprir, neste ou em outros mundos, mais ou menos adiantados; todos têm um papel a desempenhar dentro da harmonia e do equilíbrio do Universo. Assim, as missões, de um modo geral, enquadram-se em papéis de maior ou menor intensidade, de acordo com a capacidade e a elevação do Espírito reencarnante. Há a missão dos pais, a missão dos governantes, dos mestres, dos homens de ciência, dos escritores, dos artistas, etc..

Mas existem Espíritos missionários que reencarnam com uma missão específica: desempenhar a sublime tarefa de semear a paz, a caridade, o amor ao próximo e de promover o avanço intelectual da humanidade. Para estes, a encarnação não tem a finalidade de prova ou de expiação, mas a missão de acelerar o progresso moral e intelectual de seus irmãos encarnados.

A encarnação, enquanto instrumento divino que permite ao Espírito sua aprendizagem, leva-o a passar por todas as vicissitudes da vida material. Quanto mais rapidamente o Espírito se purificar se assimilar todo seu aprendizado, mais depressa chegará ao destino para o qual foi criado: a perfectibilidade.

QUESTIONÁRIO:

A - FINALIDADES DA ENCARNAÇÃO

1 - Qual a finalidade da reencarnação?

2 - O Espírito progride na erraticidade?

3 - Defina: expiação, prova e missão?


Fonte da imagem: Internet Google.

Nenhum comentário:

Postar um comentário