CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO ESPÍRITA: PACIÊNCIA, INDULGENCIA, FÉ, HUMILDADE, DIGNIDADE E CARIDADE.

terça-feira, 27 de junho de 2017

12ª Aula Parte B – CURSO APRENDIZES DO EVANGELHO 2º ANO – FEESP

Aparições de Jesus Após a Morte

AS APARIÇÕES A LUZ DO ESPIRITISMO

Na antiguidade, muitos fenômenos - que hoje são plenamente explicados pela Doutrina Espírita - eram considerados maravilhosos, sobrenaturais. Acreditava-se que Deus, por Sua Vontade, estaria revogando, alterando Suas Leis.

O Espiritismo vem, verdadeiramente, trazer luz a uma serie de fenômenos, arrancando-os do domínio do maravilhoso e do sobrenatural, demonstrando que eles são regidos por leis que podem ser constatadas pela observação metódica e científica.

As aparições, em especial, são não há duvida, uma das que mais causam impressão aos indivíduos. Kardec, em “O Livro dos Médiuns”, 2ª parte, cap. VI, item 1, inicia afirmando: “De todas as manifestações espíritas, as mais interessantes são sem duvida aquelas pelas quais os Espíritos podem se tornar visíveis.”

A chave para a compreensão desse fenômeno foi à constatação da existência do corpo semimaterial o perispírito. No item 15 do mesmo capitulo acima citado, expõe Kardec: “O perispírito, por sua própria natureza, é invisível no estado normal. Isso é comum a uma infinidade de fluidos que sabemos existirem e que jamais vimos. Mas ele pode também, à semelhança de certos fluidos, passar por modificações que tornem visível, seja por uma espécie de condensação ou por uma mudança em suas disposições moleculares, e é então que nos aparece de maneira vaporosa. A condensação pode chegar ao ponto de dar ao perispírito as propriedades de um corpo sólido e tangível, mas que pode instantaneamente voltar ao seu estado etéreo e invisível. (É necessário não tomar ao pé da letra a palavra condensação, pois só a empregamos por falta de outra e como simples recurso de comparação)”.

Como podemos ver por essa clara elucidação, nada há de inverossímil em muitas das aparições que são narradas em todos os tempos, pois se tem aqui uma explicação absolutamente esclarecedora.

As aparições de Jesus, lembra o codificador em “A Gênese”, no cap. XV item 61, que: “são relatadas por todos os evangelistas com detalhes circunstanciados que não permitem duvidar da realidade do fato.”

Ainda poderíamos perguntar:

Se Jesus já havia deixado todo seu ensinamento moral aos Homens, por que, então, houve sua aparição?

Vejamos o item 1, subitem 5a, de “O Livro dos Médiuns”:

P. Qual o objetivo dos Espíritos que aparecem com boa intenção?

R. Consolar os que lamentam a sua partida; provar-lhes que continuam a existir e estão perto deles; dar conselhos e, algumas vezes, pedir assistência para si mesmos.

Nesta resposta dos Espíritos, encontramos uma perfeita síntese da finalidade maior das aparições.

Jesus, com exceção da ultima parte: “pedir assistência”, eis que era ele que sempre assistia, em relação aos demais pontos: “consolar”, “provar que continuava a existir” e “dar conselhos”, atuou plenamente nesse sentido, como veremos adiante.

APARIÇÃO A MARIA MADALENA

“Maria estava junto ao sepulcro, de fora, chorando. Enquanto chorava, inclinou-se para interior do sepulcro e viu dois anjos, vestidos de branco, sentados no lugar onde corpo de Jesus fora colocado, um na cabeceira e Outro aos pés. Disseram-lhe então: ‘Mulher por que choras?’ Ela lhes diz: ‘Porque levaram meu Senhor e não sei onde puseram!’ Dizendo isso, voltou-se e viu Jesus de pé. Mas não sabia que era Jesus. Jesus lhe diz: ‘Mulher por que choras? A quem procuras?’ Pensando ser jardineiro, ela lhe diz: ‘Senhor se foste tu que levaste, dize-me onde puseste e eu irei buscar!’ Diz-lhe Jesus: ‘Maria!’ Voltando-se, ela diz em hebraico: ‘Rabbuni!’, que quer dizer ‘Mestre ’. Jesus Lhe diz: ‘Não me toques, pois ainda não subi ao Pai. Vai, porém, aos meus irmãos, e dize-lhes: Subo a meu Pai e vosso Pai; a meu Deus e vosso Deus.’ Maria Madalena foi anunciar aos discípulos.' ‘Vi o Senhor’, e as coisas que ele lhe disse.” (Jo 2:11-18).

Jesus tinha que trilhar o caminho dos mártires, assim estava escrito nas antigas profecias; a Lei tinha que ser cumprida.

Aos seus discípulos, disse o Mestre, expressamente, que retomaria no terceiro dia, como previram os profetas.

Mas a natureza humana, muitas vezes, deixa-se abater com facilidade. Pelas narrativas evangélicas, vemos nos discípulos todo um pesar, uma tristeza sem fim, uma lamentação inconsolável.

Na obra “Há Flores no Caminho”, psicografado por Divaldo Franco, Amélia Rodrigues, na mensagem nº 24, “Amanhecer da Ressurreição”, descreve: “As sombras que mantinham os discípulos em amargura, defluíam do remorso, da mágoa, da dor ante espetáculo inesperado, que culminara na tragédia do Gólgota. Vencidos aqueles momentos rudes, atordoantes, insinuaram-se-lhes e neles se agasalharam as angustias e os arrependimentos... Subitamente perceberam imensa, a falta impreenchível que Mestre lhes deixara nos sentimentos.”

O Mestre havia partido. Parece que eles haviam esquecido suas palavras, quando afirmou que voltaria.

Maria Madalena, aquela que, dentre os discípulos de Jesus, é um dos maiores exemplos de renovação, de mudança de valores, havia acolhido integralmente a mensagem de Jesus.

Naquela manhã pesarosa, Maria Madalena estava como os demais, sentindo a dor inconsolável da partida do Mestre, seria a primeira a vê-lo ressurgir.

Há verdadeira beleza na narrativa de seu reencontro com o Mestre, quando ele lhe diz: “Mulher, por que choras?”, e ela, em seu lamento, responde: “Porque levaram meu Senhor...”; e na felicidade indizível ao reconhecê-lo e exclamar “Rabbuni!” (conforme nota de rodapé da Bíblia de Jerusalém “Rabbuni” é um tratamento mais solene do que Rabi).

Na obra “Maria, Mãe de Jesus”, encontramos estas palavras: “... Maria julgou a princípio que via o jardineiro. Antes da certeza, a perquirição da mente precedendo a consolidação da fé. Embriagada de júbilo, a convertida de Magdala transmite a boa nova aos discípulos confundidos. Os olhos sombrios de quase todos se enchem de novo brilho”.

APARIÇÃO AOS DISCÍPULOS

“A tarde desse mesmo dia, primeiro da semana, estando fechadas as portas onde se achavam os discípulos, por medo dos judeus, Jesus veio e, pondo-se no meio deles, lhes disse: ‘A paz esteja convosco!’ Tendo dito isso, mostrou-lhes as mãos e lado. Os discípulos, então, ficaram cheios de alegria por verem o Senhor: Ele lhes disse de novo: À paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, também eu vos envio.’ (...)

Um dos Doze, Tomé, chamado Dídimo, não estava com eles, quando veio Jesus. Os outros discípulos, então, lhe disseram: ‘Vimos o Senhor!’ Mas ele lhes disse: ‘Se eu não ver em suas mãos lugar dos cravos e se não puser meu dedo no lugar dos cravos e minha mão no seu lado, não crerei’. Oito dias depois, achavam-se os discípulos, de novo, dentro de casa, e Tomé com eles. Jesus veio, estando a portas fechadas, pôs-se no meio deles e disse: ‘A paz esteja convosco!’ Disse depois a Tomé: ‘Põe teu dedo aqui e vê minhas mãos! Estende tua mão e põe-na no meu lado e não sejas incrédulo, mas crê!’ Respondeu-lhe Tomé: ‘Meu Senhor e meu Deus!’ Jesus lhe disse: ‘Porque viste, creste. Felizes os que não viram e creram’! ”(Jo 2: 19-29).

Confusos, atordoados, os discípulos encontravam-se refugiados. A multidão que pedira a morte de Jesus estava descontrolada, a cidade estava alvoroçada, tensa. Os discípulos temiam por sua vida.

Qual não foi a alegria que eles sentiram ao verem Jesus novamente entre eles, naquele momento tão difícil para todos?

Com certeza, ficaram exultantes, sentiram-se esperançosos, confortados na presença do Mestre. Ao vê-lo, reacende neles a crença na imortalidade da alma: A morte não existe. Jesus estava vivo!

Nesse dia glorioso, eles reencontraram o Mestre. Tomé, no entanto, que não estava presente, não acreditou quando lhe disseram. Somente quando Jesus apareceu novamente foi que ele acreditou. Por isso Mestre lhe disse: “Porque viste, creste. Felizes os que não viram e creram!”

Uma das limitações humanas que mais dificulta progresso espiritual é a incredulidade, a falta de fé. Falta de fé em si mesmo, falta de fé em Jesus, falta de fé em Deus. Quando, ao contrário, o Homem tem fé, traz uma convicção íntima que lhe confere certeza na imortalidade do Espírito e na vida futura.

APARIÇÃO A MARGEM DO LAGO DE TIBERÍADES

“Depois disso, Jesus manifestou-se novamente aos discípulos, as margens do mar de Tiberíades. Manifestou-se assim: Estavam juntos Simão Pedro e Tomé, chamado Dídimo, Natanael que era de Caná da Galiléia, os filhos de Zebedeu e dois outros de seus discípulos. Simão Pedro lhes disse: ‘Vou pescar’. Eles lhe disseram: ‘Vamos nós também contigo’. Saíram e subiram ao barco e, naquela noite, nada apanharam. Já amanhecera. Jesus estava de pé, na praia, mas os discípulos não sabiam que era Jesus. Então Jesus lhes disse: ‘Jovens, acaso tendes algum peixe?’ Responderam-lhe. 'Não! ’Disse-lhes.‘ lançai a rede a direita do barco e achareis.’ Largaram, então, e já não tinham força para puxá-la, por causa da quantidade de peixes. Aquele discípulo que Jesus amava disse então a Pedro: ‘É o Senhor!’ Simão Pedro, ouvindo dizer ‘É o Senhor! ’, vestiu a roupa – porque estava nu - e atirou-se ao mar Os outros discípulos, que não estavam longe da terra, mas cerca de duzentos côvados, vieram com barco, arrastando a rede com os peixes.” (Jo 21:1-8).

Além da aparição descrita nesta outra passagem, Jesus apareceria outras vezes aos seus discípulos. O Mestre queria, definitivamente, confirmar suas palavras, confirmar que o Espírito sobrevive à matéria.

Especialmente aos seus discípulos mais próximos, Jesus precisava infundir-lhes convicção plena, para que se fortalecessem na fé, e desenvolvessem a coragem necessária para enfrentar a grande missão que os aguardava. Quando chegasse o momento, deveriam seguir e fazer a divulgação da Doutrina redentora do Cristo.

Em suas jornadas, a defesa da Doutrina Crista os conduziria a valorosos testemunhos de renuncia, abnegação e humildade.

De fato, os discípulos, cada um deles, trilhou o caminho dos mártires.

Hoje, contemplando sobre esses inesquecíveis exemplos, podemos deixar-nos levar pela inspiração de também seguir o exemplo dos abnegados discípulos do Mestre e nos tomarmos humildes servidores de sua seara.

QUESTÃO REFLEXIVA:

Comente: “Felizes os que não viram e creram!”

Bibliografia
- A Bíblia de Jerusalém;
- Kardec, Allan - A Gênese - Ed. FEESP;
- Kardec, Allan - Livro dos Médiuns - Ed. FEESP;
- Kardec, Allan - O Evangelho Segundo o Espiritismo - Ed. FEESP;
- Franco, Divaldo/Amélia Rodrigues - Dias Venturosos;
- Carneiro, Edison/ Francisco C. Xavier/Yvonne A. Pereira - Maria, Mãe de Jesus.


Fonte da imagem: Internet Google.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

12ª Aula Parte A – CURSO APRENDIZES DO EVANGELHO 2º ANO – FEESP

Desfecho Da Missão Planetária De Jesus

A Prisão e a Crucificação de Jesus

PRISÃO DE JESUS

“Tendo dito isso, Jesus foi com seus discípulos para o outro lado da torrente do Cedron. Havia ali um jardim, onde Jesus entrou esse com seus discípulos. Ora, Judas, que o traía, conhecia também esse lugar porque, frequentemente, Jesus e seus discípulos ai se reuniam. Judas, então, levando a corte e guardas destacados pelos chefes dos sacerdotes e pelos fariseus, ai chega, com lanternas archotes e armas. Sabendo Jesus tudo que lhe aconteceria adiantou-se e lhes disse: ‘A quem procurais?’ Responderam. 'Jesus o Nazareu’. Disse-lhes. ‘Sou eu ’. Judas, que o traía, estava também com eles. Quando Jesus lhes disse: ‘Sou eu ’, recuaram e caíram por terra. Perguntou-lhes, então, novamente: ‘A quem procurais?’ Disseram: ‘Jesus, o Nazareu’. Jesus respondeu: ‘Eu vos disse que sou eu. Se, então, é a mim que procurais, deixai que estes se retirem a fim de se realizar a palavra que diz: Não perdi nenhum dos que me deste. Então, Simão Pedro que trazia uma espada, tirou-a, feriu o servo do Sumo Sacerdote a quem decepou a orelha direita. O nome do servo era Malco. Jesus disse a Pedro: ‘Embainha a tua espada. Deixarei eu de beber o cálice que o Pai me deu?’.” (Jo 18:1-11).

Neste momento culminante, Jesus mostra sua verdadeira realeza: nem um Segundo sequer de medo, de dúvida, de hesitação, mas, ao contrário, a mais plena convicção, a serenidade absoluta, a sublimidade de sentimentos, a compaixão incondicional pelos agressores.

O Mestre, não obstante sua condição infinitamente superior entrega-se, sem resistências; deixa-se conduzir docilmente a prisão. Em Jesus, encontramos o exemplo máximo da moral superior, da renúncia sem limites, da demonstração do Amor incondicional.

Refletindo sobre a passagem acima transcrita, constatamos que muitos são os pontos marcantes em que podemos fixar-nos. Vejamos a seguinte afirmação de Jesus: “Sou eu”, os soldados “recuaram e caíram por terra”.

Ora, vemos que os captores, aqueles que o perseguiam para prendê-lo, eram compostos por guardas destacados pelos chefes dos sacerdotes e pelos fariseus, além de uma corte, que era um destacamento da guarnição romana em Jerusalém.

Então, por que eles recuaram e caíram por terra‘?! Com certeza, pela condição inigualável de Jesus. Sua presença única: firme, mas, ao mesmo tempo, dócil; olhos que refletiam a mais íntegra dignidade, uma natural superioridade, e, ao mesmo tempo, a simplicidade e a compassividade que refletia um Amor indescritível. Eis a palavra:

Os guardas tremeram, hesitaram, como muitas vezes antes já o haviam feito. Recordemos, por exemplo, uma passagem contida em João, cap. 7, versículo 45: “Os guardas, então, voltaram aos chefes dos sacerdotes e aos fariseus e estes lhes perguntaram: Por que não o trouxestes? Responderam os guardas: Jamais um homem falou assim!”.

Neste formidável relato, marcado pela espontaneidade dos guardas, notamos quão impressionados ficaram eles após terem ouvido Jesus. Tinham ido para, cruelmente, prendê-lo; mas, surpreendentemente, foram tocados no coração pela mensagem sublime do Mestre, e, aos seus chefes, absolutamente perplexos, justificavam: “Jamais um homem falou assim!”

Mas, então, era chegada a hora. Assim, mesmo após o impacto da afirmação de Jesus “Sou eu”, os soldados logo se recompuseram.

Ao se aproximarem os soldados de Jesus, no entanto, Pedro, que muito amava o Mestre, mas, de certa forma, não entendendo o caráter absolutamente pacífico da missão de Jesus, desembainha sua espada e decepa a orelha do soldado Malco. Jesus, então, como vemos em Mateus, cap. 26, versículo 52, exorta-o: “Guarda tua espada no seu lugar, pois todos os que pegam a espada pela espada perecerão.” E em Lucas, cap. 22, versículo 51, temos:“ ‘Deixai! Basta!’ E tocando-lhe a orelha curou-o.”

Com a prisão do Mestre, os discípulos fogem, como vemos em Marcos, cap. 14, versículo 5: “Então, abandonando, fugiram todos.”, mas, notemos, assim pediu o Mestre: “Se, então, é a mim que procurais, deixai que estes se retirem, a fim de se realizar a palavra que diz: Não perdi nenhum dos que me deste”. E em Mateus, cap. 27, versículos 3 a 5, encontramos o fim trágico de Judas Iscariotes:

“Então, Judas, que entregara, vendo que Jesus fora condenado, sentiu remorsos e veio devolver aos chefes dos sacerdotes e aos anciãos as trinta moedas de prata, dizendo: ‘Pequei, entregando sangue inocente’. Mas estes responderam: ‘Que temos nós com isso? O problema é teu’. Ele, atirando as moedas no Templo, retirou-se e foi enforcar-se".

Nesta narrativa de Mateus, vemos que Judas, em que pese seu ato infamante de entregar Jesus, tal foi seu remorso, que tirou sua própria vida. Seu desejo, como já falamos em aula anterior, não era o de ver a condenação de Jesus a morte.

A nós Espíritas, que buscamos desenvolver o Amor incondicional ensinado por Jesus, cabe-nos apenas compreender tal ato como decorrente da natural fraqueza humana, a que todos podem incorrer ou já incorreram no passado longínquo.

Jesus, o Mestre incomparável, no episodio de sua prisão, mostra-nos o verdadeiro Amor, pois, mesmo aos seus perseguidores, de nada se queixou; ao contrário, foi-lhes fraternal, solidário e, ao soldado ferido, ofereceu-lhe a cura.

JESUS DIANTE DE PILATOS

“Então de Caifás conduziram Jesus ao pretório. Era de manhã. Eles não entraram no pretório para não se contaminarem e poderem comer a Páscoa. Pilatos, então, saiu para a fora ao encontro deles e disse: ‘Que acusação trazeis contra este homem?’ Responderam-lhe: ‘Se não fosse mau feitor; não entregaríamos a ti’. Disse-lhes Pilatos: ‘Tomai-o vós mesmos, e julgai-o conforme vossa Lei.’ Disseram-lhe os judeus: ‘Não nos é permitido condenar ninguém a morte', a fim de se cumprir a palavra de Jesus, com a qual indicara de que morte deveria morrer.
Então Pilatos entrou novamente no pretório, chamou Jesus e lhe disse: ‘Tu és rei dos judeus? ’Jesus lhe respondeu: ‘Falas assim por ti mesmo ou outros te disseram isso de mim?’ Respondeu Pilatos: ‘Sou, por acaso, judeu? Teu povo e os chefes dos sacerdotes entregaram-te a mim. Que fizeste? 'Jesus respondeu: ‘Meu reino não é deste mundo. Se meu reino fosse desse mundo, meus súditos teriam combatido para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas meu reino não é daqui’.” (Jo 18:28-40).

Como fazer para condenar um justo? Eis que Jesus era o justo, por excelência! De que, então, poderiam acusá-lo?
Seus acusadores, não tendo motivo real para acusá-lo, buscavam um artifício vil e pérfido para condená-lo, como vemos em Mateus, cap. 26, versículos 59 e 6, quando Jesus encontrava-se diante do Sumo Sacerdote Caifás: “Ora, os chefes dos sacerdotes e todo Sinédrio procuravam um falso testemunho contra Jesus, a fim de matá-lo, mas nada encontraram, embora se apresentassem muitas falsas testemunhas”.

Naquela noite fatídica, vemos aflorar todo ódio mortal que os sacerdotes tinham por Jesus. Estavam decididos a tudo fazer para condená-lo. Queriam a pena capital. Mas o Sinédrio não tinha tal autoridade: condenar alguém a morte; então foram até Pilatos, o governador que representava o Império Romano.

Pilatos, podemos ver de forma uniforme nos Evangelhos, demonstra resistência à condenação de Jesus. Em Lucas, cap. 23, versículo 4, encontramo-lo dizendo: “Não encontro nesse homem motivo algum de condenação.”, e no versículo 22: “Que mal fez esse homem?”

A mulher de Pilatos, lembremos, já o havia advertido, como narra Mateus, no cap. 27, versículo 19: “Enquanto estava sentado no tribunal, sua mulher lhe mandou dizer: ‘Não te envolvas com esse justo, porque muito sofri hoje em sonho por causa dele'.”

Pilatos, ainda tenta outro recurso. Durante aquele período de festa, era costume o governador soltar um prisioneiro que a multidão solicitasse, e, por acaso, havia um prisioneiro chamado Barrabás, condenado por motim e homicídio. (Lc 23: 19).

Seria uma tendência lógica - podemos nos imaginar - que optariam pela manutenção da prisão do bandido homicida e pediriam para soltar Jesus, o justo. Pilatos, então, perguntou: “Quem quereis que vos solte, Barrabás ou Jesus, que chamam Cristo?” (Mt 27:17).

Ouviu-se, então, naquele momento de insanidade, apenas o brado vociferante da multidão ensandecida: “Morra esse homem! Solta-nos Barrabás! “(Lc 23:18).

Pilatos, então, não querendo comprometer-se - descreve Mateus no cap. 27, versículo 24:
“Vindo Pilatos que nada conseguia, mas, ao contrário, a desordem aumentava, pegou água e, lavando as mãos na presença da multidão, disse: ‘Estou inocente desse sangue. A responsabilidade é vossa.’”

De todo o episódio da prisão de Jesus, extraímos profundos ensinamentos. Um dos mais marcantes é a reposta do Mestre a Pilatos: “Meu reino não é deste mundo.”, diz-lhe Jesus. O reino de Pilatos, ou mesmo dos sacerdotes, sabemos, é o reino deste mundo, dessa forma, transitório, inconstante, sujeito as vicissitudes e aos caprichos e as paixões humanas. O Reino de Jesus é de origem divina, constante e eterno, pois representa a Lei de Deus.

Na obra “Dias Venturosos”, pela psicografia de Divaldo Franco, a autora Amélia Rodrigues, na mensagem n° 21: “Reino de Luz”, explica que há dois reinos e expõe: “Não podiam compreender Jesus e seu reino, esses indivíduos; reino que é destituído de características externas, que não promove ruídos nem agita bandeiras que tremulam sob cadáveres nos Campos bélicos da Terra. Os seus reinos se fixam sobre ruínas e são cobertos de sombras. O reino de Jesus se levanta nas terras aliás do bem e é vestido de luz. Os reinos do mundo são feitos de esplendor rápido e decadência demorada. O reino de Jesus é erguido vagarosamente e esplende para sempre. O reino terrestre muda de comando, e de Jesus permanece sob sua governança.”

CRUCIFICAÇÃO E SEPULTAMENTO

“E ele saiu, carregando sua cruz, e chegou ao chamado lugar da Caveira' - em hebraico chamado Gólgota - onde crucificaram: e, com ele, dois outros: um de cada lado e Jesus no meio. Pilatos redigiu também um letreiro e o fez colocar sob a cruz; nele estava escrito: ‘Jesus Nazareu, rei dos judeus’. Esse letreiro, muitos judeus o levaram, porque o lugar onde Jesus fora crucificado era próximo da cidade; e estava escrito em hebraico, latim e grego.
Disseram então a Pilatos os chefes dos sacerdotes dos judeus: ‘Não escrevas: ‘O rei dos judeus ’, mas: ‘Este homem disse: ‘Eu sou o rei dos judeus ’. ’PiIatos respondeu: ‘O que escrevi, escrevi.’.” (Jo 19:17-22).

“Depois, José de Arimatéia, que era discípulo de Jesus, mas secretamente, por medo dos judeus, pediu a Pilatos que lhe permitisse retirar corpo de Jesus. Pilatos o permitiu. Vieram, então, e retiraram seu corpo. Nicodemos, aquele que anteriormente procurara Jesus a noite, também veio, trazendo cerca de cem liras de uma mistura de mirra e aloés. Eles tomaram então o corpo de Jesus e o envolveram em faixas de linho com os aromas, como os judeus costumam sepultar. Havia um jardim, no lugar onde ele fora crucificado e, no jardim, um sepulcro novo, no qual ninguém fora ainda colocado. Ali, então, por causa da preparação dos judeus e porque sepulcro estava próximo, eles depuseram Jesus.” (Jo 19:38-42).

Como estava escrito, Jesus, pela crueldade sem limite dos homens, foi levado a cruz. Que fizera o Mestre para merecer tal infamante condenação?

Jesus, o Mestre incomparável, foi aquele que trazia a luz; aos fracos e oprimidos, trouxe-lhes ânimo para que se levantassem e perseverassem até o fim; aos desesperados e aflitos, trouxe-lhes esperança; aos sobrecarregados e cansados, trouxe-lhes encorajamento para que suportassem seus fardos; aos condenados e acusados pelos homens preconceituosos, deu-lhes o amparo. Em todos os momentos, sua ação foi caridosa, compassiva, amorosa.

Como, então, puderam os Homens condená-lo? Pela dureza de seus corações; pelo desejo insaciável de poder, hegemonia, dominação; pela ganância incontrolável por todas as más paixões que afastam o Homem do Criador.

Para aqueles que o condenaram, restariam seus templos de pedra, recheados com metais preciosos, belos aos olhos, mas gélidos aos corações; restaria, quando despertassem, a culpa dolorosa por rejeitar aquele que era o Bom Pastor; restaria remorso imensurável e dilacerante por condenar aquele que veio em nome de Deus.

Da obra “Maria, Mãe de Jesus”, organizado por Edison Carneiro, com textos e comunicações recebidas por Francisco C. Xavier e Yvonne A. Pereira, extraímos uma reflexão de Maria, no tópico “No Calvário”, nesses momentos finais: “Sim... Jesus era seu filho, todavia, antes de tudo, era Mensageiro de Deus. Ela possuía desejos humanos, mas o Supremo Senhor guardava eternos e insondáveis desígnios o carinho materno poderia sofrer, contudo, a Vontade Celeste regozijava-se. Poderia haver lágrimas em seus olhos, mas brilhariam festas de vitória no Reino de Deus. Suplicara aparentemente em vão, porquanto, certo, o Todo-Poderoso atendera-lhe os rogos, não segundo os seus anseios de mãe e sim de acordo com os seus planos divinos! ... ”

QUESTÃO REFLEXIVA:

O que representa, para nós, o grandioso exemplo de Jesus de não reagir à violência e perdoar seus agressores?


Fonte da imagem: Internet Google.

terça-feira, 20 de junho de 2017

11ª Aula Parte B – CURSO APRENDIZES DO EVANGELHO 2º ANO – FEESP

O Consolador Prometido

O ANÚNCIO DA VINDA DO CONSOLADOR

“Se me amais, observareis meus mandamentos, e rogarei ao Pai e ele vos dará outro Paráclito, para que convosco permaneça para sempre, o Espírito da Verdade, que o mundo não pode acolher porque não o vê nem o conhece. Vós o conheceis, porque permanece convosco. Não vos deixarei órfãos. Eu virei a vós.” (Jo 14:15-18).

“Mas o Paráclito, o Espirito Santo que o Pai enviará em meu nome, vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que vos disse.” (Jo 14:26).

No Sermão do Cenáculo, Jesus prometeu aos seus discípulos a vinda do Consolador.

Podemos observar, no entanto, que o Mestre exortou-os a observação de seus mandamentos para, então, rogar ao Pai que lhes enviasse o Paráclito.

Estando os discípulos temerosos com as palavras de Jesus, consola-os ainda o Mestre dizendo: “Não vos deixarei órfãos”.

Refletindo sobre a promessa de Jesus, podemos indagar: Por que o Mestre anunciou que o Consolador não poderia ser “acolhido” naquele momento?

Como bem sabemos, a Humanidade passa por diferentes fases. Assim, figuradamente falando, começou na sua infância e caminha até atingir a sua maturidade. Essa maturidade será alcançada quando os Homens aplicarem sua capacidade intelectual, observando todos os princípios da Moral ensinada pelo Cristo.

Quando, então, observamos essa evolução, veremos que no passado distante predominava a barbárie e a selvageria. Mesmo na época dos antigos profetas hebreus, os costumes eram rudes e vigorava a “Lei do Olho por Olho”. Por isso, Moisés, que trouxe a Primeira Revelação, agia, muitas vezes, com severidade.

Houve, pois, necessidade de um grande avanço até que chegasse o momento propício para o advento do Cristo, que trouxe a Segunda Revelação.

Deste processo evolutivo, emerge um princípio: todo novo conhecimento exige uma base anterior que o fundamente, e certa receptividade para que haja aceitação.

Jesus trouxe muitos ensinamentos, mas muitas explicações ficariam para um momento futuro. Como podemos ver no Evangelho de João cap. 16, versículo 12: “Tenho ainda muito que vos dizer, mas não podeis agora suportar”.

Não era próprio aquele momento. Apenas no futuro seriam ensinadas todas as coisas e recordado tudo o que já havia sido dito. Ensinar todas as coisas, pois, repetimos, todo novo ensinamento exige uma base anterior. Mas por que recordar tudo o que já havia sido dito?

É que Jesus sabia que seus ensinamentos seriam deturpados que as paixões humanas ainda predominariam; que a ânsia de poder sobrepor-se-ia, por vezes, ao seu Evangelho de Luz. Após 18 séculos da promessa do Mestre, veio o Consolador...

A VINDA DO PARÁCLITO

“No entanto, eu vos digo a verdade, é de vosso interesse que eu parta, pois, se não for o Paráclito não virá a vós. Mas se for; enviá-lo-ei a vos.” (Jo 16:7).

“Quando vier o Espírito da Verdade, ele vos guiará na verdade plena, pois não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas futuras.” (Jo 16: 13).

O advento da Doutrina Espírita veio dar cumprimento a promessa do Cristo, pois é o Consolador Prometido.

Conforme se encontra na obra “Espiritismo de A a Z”, o Espírito de Verdade é: “uma plêiade de Espíritos”, e não, como se poderia pensar, apenas um Espírito.

O Paráclito ou Espírito de Verdade, diz Kardec, no cap. VI, item 4, de “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, é quem preside o restabelecimento da Doutrina Espírita.

As impregnações dogmáticas que haviam sido incorporadas ao Cristianismo fizeram que, no século do positivismo, o materialismo se expandisse de tal maneira que afastaria o Homem racional da Igreja, pois o que ela pregava transbordava incoerência e contradizia a razão.

Então, exatamente nesse século de predominância do materialismo na Europa, é chegada à hora do advento do Espiritismo, pois ocorria uma verdadeira revolução no conhecimento cientifico.

Na antiguidade, claro, houve muitos iluminados, mas o conhecimento era, como sempre lembra Kardec, hermético, fechado, limitado a poucos que podiam compreender.

Mas, no século do positivismo, diz comumente Kardec, a Humanidade já estava pronta para receber em larga escala, com grande estrondo, a divulgação da Doutrina Espírita, pois o alicerce já estava preparado.

Então não era apenas a França que estava preparada, mas a manifestação dos Espíritos, no século dezenove, foi generalizada, em diversas partes do mundo, no México, nos Estados Unidos, na Argélia, na Rússia, etc..

E esse caráter de universalidade é justamente - como sempre ressalta Kardec - o que confere maior credibilidade, veracidade as revelações, pois da análise das inumeráveis comunicações obtidas, nas mais diversas partes do mundo, constata-se que as verdades reveladas são as mesmas, obtidas nos grandes ou pequenos centros, de médiuns altamente intelectualizados, ou mesmo de médiuns analfabetos. Uma grande unidade em todo o ensinamento espírita podia ser observada.

E, especialmente, há que se ressaltar, toda a revelação espírita era coerente com a mensagem do Cristo. Muitas das lições que foram apresentadas em palavras figuradas, agora eram trazidas com todas as letras. Vemos que nenhuma nova moral foi trazida, pois os princípios morais do Espiritismo são os mesmos princípios morais de Jesus.

No mesmo capítulo acima citado, de “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, item 4, o codificador, discorrendo sobre o advento da Doutrina Espírita, sintetiza: “Ele chama os homens à observância da lei; ensina todas as coisas, fazendo compreender o que o Cristo só disse em parábolas. O Cristo disse: ‘que ouçam os que têm ouvidos para ouvir’. O Espiritismo vem abrir os olhos e os ouvidos, porque ele fala sem figuras e alegorias. Levanta o véu propositadamente lançado sobre certos mistérios, e vem, por fim, trazer uma suprema consolação aos deserdados da Terra e a todos os que sofrem, ao dar uma causa justa e um objetivo útil a todas as dores”.

Portanto, o Espiritismo veio explicar quem somos nós, de onde viemos e para onde vamos; veio ensinar que somos Espíritos imortais, destinados a felicidade eterna; veio demonstrar que Deus é soberanamente Justo e Bom; e que todas as coisas que nos pareciam injustas têm uma razão de ser.

Eis o Consolador prometido!

A ORAÇÃO DE JESUS POR SEUS DISCÍPULOS

Assim falou Jesus, e, erguendo os olhos ao céu, disse: ‘Pai, chegou a hora'. Glorifica teu Filho, para que teu Filho te glorifique, e que, pelo poder que lhe deste sobre toda carne, ele dá a vida eterna a todos os que lhe deste!

Ora, a vida eterna é esta: que eles te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e aquele que enviaste: Jesus Cristo.

Eu te glorifiquei na terra, concluí a obra que me encarregaste de realizar.

(...) Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste. Eram teus e os deste a mim e eles guardaram tua palavra.

(...) Já não estou no mundo; mas eles permanecem no mundo e eu volto a ti.

(...) Eu lhes dei tua palavra, mas o mundo as odiou porque não são do mundo, como eu não sou do mundo.

(...) Não rogo somente por eles, mas pelos que, por meio de sua palavra crerão em mim: a fim de que todos sejam um.

Como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, que eles estejam em nós, para que o mundo creia que tudo me enviaste.

(...) Pai, aqueles que me deste quero que, onde eu estiver; também eles estejam comigo, para que contemplem minha glória, que me deste, porque me amaste antes da fundação do mundo.

(...) Eu lhes dei a conhecer o teu nome e lhes darei a conhecê-lo a fim de que o amor com que me amaste esteja neles e eu neles. (Jo 17:1-26).

Voltemos aos últimos instantes daquela noite inesquecível no Cenáculo. Jesus está com seus discípulos. Eles estão apreensivos; podem pressentir o desfecho culminante que se aproxima.

Os discípulos aguardavam. Embora ansiosos, ainda estavam enlevados, maravilhados com a sublime demonstração de humildade protagonizada pelo Mestre: o lava-pés. Jesus, que havia se feito o menor, era, por isso, em absoluto, o maior.

Nesse instante, o Mestre dirige-se ao Pai Criador e faz uma fervorosa prece. Suas palavras, proferidas naquele momento inolvidável, soariam, eternamente, como um canto de rara beleza.

O Cristo havia cumprido plenamente sua missão: “Eu te glorifiquei na terra, concluí a obra que me encarregaste de realizar.”

Todos os atos de Jesus representam a mais pura virtude. Não houve hesitações, não houve dúvidas, não houve palavras desperdiçadas, não houve ocasiões perdidas para exemplificar o Amor maior. Todos os seus passos refletem o compromisso absoluto com sua missão; todos os seus ensinamentos representam a perfeita Moral; todo o seu testemunho reflete a Lei Divina.

Mas no mundo havia, e ainda há, muita ignorância. Essa condição de ignorância faz com que as pessoas afastem-se do verdadeiro caminho, faz com que, temporariamente, reneguem as potencialidades da alma: potencialidade de “ver” mais, de “ouvir” mais, de buscar a ligação com Deus.

Enquanto se encontra nessas “trevas”, o Ser, ao ouvir falar sobre o caminho do Bem, ouvir falar sobre a verdadeira grandeza, sobre a Lei do Amor, ele renegará a Verdade, e, por vezes, odiará aqueles que a anunciam.

Por isso disse Jesus: “Eu lhes dei tua palavra, mas o mundo as odiou porque não são do mundo, como eu não sou do mundo.”

Jesus, entre os Homens frios, entre aqueles que tinham a aparência de “santo”, mas o coração petrificado pelo egoísmo, pelo orgulho e pela vaidade, entre aqueles que queriam manter seus privilégios através da ignorância do povo, entre esses, Jesus foi odiado. Foi odiado porque não pertencia a esse mundo: mundo de iniquidade, mundo de falsos valores, mundo de ignorância.

Assim como o Mestre, seus fiéis discípulos seriam odiados por aqueles que cultivavam os valores desse mundo das coisas materiais. Seriam também perseguidos, seriam, por muitos, objeto de desprezo, de ironia, de indiferença.

No entanto, ao mesmo tempo, seriam ouvidos por tantos outros; seriam acolhidos por todos aqueles que estivessem cansados de seus fardos, cansados da iniquidade, cansados da vida mundana; seriam ouvidos por todos aqueles que estavam desejosos de aprender e crescer, desejosos de se libertar pela verdade.

Jesus era, pois, do “mundo” dos valores espirituais, onde as Leis Divinas reinam de forma soberana, absoluta, onde apenas o Bem vence.

Mas Jesus era o Mestre maior, e, mesmo diante de toda a ignorância dos Homens, a todos perdoou. Seu Amor infinito é capaz de envolver a todos nós. Um dia, toda a Humanidade o ouvirá, e, então, todos seremos como “Um”. Por isso disse: “Não rogo somente por eles, mas pelos que, por meio de sua palavra crerão em mim: a fim de que todos sejam um”.

Quando todos forem capazes de encontrar a Luz, forem capazes de reconhecer no Evangelho de Jesus a mais sublime canção sobre a Verdade e a Eternidade, então todos nós seremos “Um”, eis que seremos movidos apenas pela Lei do Amor, e reinará a amizade, a fraternidade, a caridade universal. O Mal será erradicado, extinto, aqui da Terra, e não mais haverá a multidão de aflitos, de crianças abandonadas, de idosos desamparados, de famintos sem nem um pedaço de pão. Todos esses males, essas aflições, desaparecerão.

Todos nós seremos “Um” e poderemos, nesse grande dia, com a Humanidade renovada, ouvir juntos a Voz do sublime Pastor.

Que possamos, cada um de nós, tomar parte na expansão do Evangelho, através de nossa palavra, anunciando a Boa Nova, e principalmente, exemplificando como Jesus nos ensinou.

QUESTÃO REFLEXIVA:

O que podemos fazer para divulgar ainda mais o Evangelho de Jesus, para que, um dia, todos nós sejamos “Um”?

Bibliografia
- A Bíblia de Jerusalém.
- Kardec, Allan - O Evangelho Segundo o Espiritismo - Ed. FEESP
- Xavier, Francisco C./Humberto de Campos - Boa Nova.
- Espiritismo de A a Z - Ed. FEB.
- Franco, Divaldo P./Amélia Rodrigues - Sou Eu.


Fonte da imagem: Internet Google.

terça-feira, 13 de junho de 2017

11ª Aula Parte A – CURSO APRENDIZES DO EVANGELHO 2º ANO – FEESP

O Sermão Do Cenáculo e o Consolador Prometido

O Sermão do Cenáculo

Quando sua hora já estava se aproximando, Jesus, antes da festa da Páscoa judaica (quando se comemorava a libertação do dos hebreus do cativeiro no Egito), reuniu-se com seus discípulos para a realização da ceia que ficaria eternizada como “A Última Ceia”.

Naquela ocasião, Jesus pronunciou seu último sermão aos discípulos: O Sermão do Cenáculo, eis que se denominava cenáculo a sala em que se comia a ceia ou o jantar.

O Mestre, nesse inesquecível episódio, anunciou aos discípulos a sua partida, pois a Lei das Escrituras tinha que ser cumprida. Falou-lhes, então, sobre a traição de Judas e sobre o caminho de martírio que deveria percorrer.

Mas, especialmente, notando o temor de seus discípulos, convocou-os a ter fé, a perseverar; falou-lhes sobre a missão que lhes cabia, sobre a vinda do Consolador...

Um dos momentos mais significativos da Última Ceia, não há dúvida, foi o lava-pés. Vejamos a narração contida no Evangelho de João:

O LAVA-PÉS

“Antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que chegara a sua hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim.”

(...) "Chega, então, a Simão Pedro, que lhe diz.' ‘Senhor tu, lavar-me os pés?! ’ Respondeu-lhe Jesus: ‘O que faço, não compreendes agora, mas o compreenderás mais tarde’. Disse-lhe Pedro: ‘Jamais me lavarás os pés’! Jesus respondeu-lhe: ‘Se eu não te lavar não terás parte comigo. Simão Pedro lhe disse: ‘Senhor não apenas meus pés, mas também as mãos e a cabeça.’ Jesus lhe disse: ‘Quem se banhou não tem necessidade de se lavar; porque está inteiramente puro. Vós também estais puro, mas não todos. ’Ele sabia, com efeito, quem o entregaria; por isso, disse: ‘Nem todos estais puros.'

Depois que lhes lavou os pés, retomou o manto, voltou à mesa e lhes disse: ‘Compreendeis o que vos fiz? Vós me chamais Mestre e Senhor e dizeis bem, pois eu o sou. Se, portanto, eu, o Mestre e o Senhor; vos lavei os pés, também deveis lavar-vos os pés uns aos outros. Dei-vos o exemplo para que, como eu vos fiz, também vós o façais.

Em verdade, em verdade, vos digo: ‘o servo não é maior do que o seu senhor nem o enviado maior do que quem o enviou. Se compreenderdes isso e o praticardes, felizes sereis.’." (Jo 13:1-17).

A Humanidade, em geral, tem cena dificuldade para entender grandes verdades. É que essas verdades são, por vezes, contrárias ao senso comum.

Se considerarmos o conjunto dos valores do mundo, notaremos que há uma tendência em atribuir demasiada importância, credibilidade, respeitabilidade àqueles que figuram em destaque na sociedade frente aos valores mundanos; aqueles que possuem títulos, que ocupam cargos, ou que possuem muitos bens materiais.

Essa circunstância é exatamente o fator determinante de tal crença, ou seja, de que os maiores seriam os melhores. Isto também era verdadeiro a época do Mestre.

No entanto, os ensinamentos de Jesus vieram para inverter essa ordem, essa crença infundada. Houve, na verdade, um empenho do Cristo em demonstrar o contrário pela exposição da Boa Nova e, principalmente, por sua exemplificação.

Nesta passagem, deixou-nos o Mestre a sublime demonstração de humildade, quando protagonizou o episódio do lava-pés. Remontando àquela época, podemos citar que o lava-pés era um costume habitual. Porém, cabia aos Servos lavar os pés de seus senhores e não o inverso.

Esse costume, como tantos outros, sempre privilegiam os senhores, aqueles que exercem o poder transitório da Terra. É, pois, um hábito que exclui os mais simples, pois estes, em geral, sempre serão aqueles que devem servir.`

Mas, como disse o Mestre: “Pois o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos.” (Mc 10:45).

A exemplificação de Jesus, repetimos, neste episodio, é a mais pura consolidação de seu ensino.

Aos discípulos, no entanto, ou Pedro, em especial, simboliza a Humanidade em sua resistência a aceitação desse preceito, ou seja, que o maior é aquele que se faz menor.

Na obra “Boa Nova”, lição 25, Humberto de Campos, pela psicografia de Francisco C. Xavier, narra a explicação do Mestre: “Vós me chamais Mestre e Senhor e dizeis bem, porque eu o sou. Se eu, Senhor e Mestre, vos lavo os pés, deveis igualmente lavar os pés uns dos outros no caminho da vida, porque no Reino do Bem e da Verdade o maior será sempre aquele que se fez sinceramente o menor de todos.”

O ANÚNCIO DA TRAIÇÃO DE JUDAS E A DESPEDIDA

“Tendo dito isso, Jesus perturbou-se em seu espírito e declarou: ‘Em verdade, em verdade, vos digo: um de vos me entregará’. Os discípulos entreolhavam-se, sem saber de quem falava. Estava à mesa, ao lado de Jesus, um de seus discípulos, aquele que Jesus amava. Simão Pedro faz-lhe, então, sinal e diz-lhe: ‘Pergunta-lhe quem é aquele de quem fala. ’Ele, então, reclinando-se sobre o peito de Jesus, diz-lhe: ‘Quem é, Senhor? ’Responde Jesus: ‘É aquele a quem eu der o pão que umedecerei no molho.’ Tendo umedecido o pão, ele o toma e dá a Judas, filho de Simão Iscariotes. Depois do pão, entrou nele satanás. Jesus lhe diz: 'Faze depressa o que estas fazendo. ’Nenhum dos que estavam a mesa compreendeu porque lhe dissera isso. Como era Judas quem guardava a bolsa comum, alguns pensavam que Jesus lhe dissera: ‘Compra o necessário para a festa ’, ou que desse algo aos pobres. Tomando, então, o pedaço de pão, Judas saiu imediatamente. Era noite.” (Jo 13:21-36).

Entre os judeus, era dominante a crença de que o Messias que deveria vir seria um líder guerreiro, um libertador político, enfim, alguém que usaria a força para por fim a dominação romana e estabelecer a “glória” do povo de Israel.

Judas, da mesma forma, mantinha essa esperança. Assim, podemos afirmar que ele não compreendeu a verdadeira essência da missão de Jesus.

Ao agir como agiu, teria, por isso, desejado a condenação de Jesus?

A esse questionamento, encontramos a resposta na mesma obra acima citada, lição 24, onde Humberto de Campos narra: “A madrugada o encontrou decidido na embriaguez de seus sonhos ilusórios. Entregaria o Mestre aos homens do poder em troca de sua nomeação oficial para dirigir a atividade dos companheiros. Teria autoridade e privilégios políticos. Satisfaria as suas ambições, aparentemente justas, com o fim de organizar a vitória Cristã no seio de seu povo. Depois de atingir o alto cargo com que contava, libertaria Jesus e lhe dirigiria os dons espirituais, de modo a utilizá-los para a conversão de seus amigos e protetores prestigiosos”.

Como vemos nessa narrativa, Judas, embora amasse Jesus, deixou-se levar pela cobiça e pelo desejo de poder. Por invigilância, como consta do relato, deixou-se ainda ser influenciado pela espiritualidade inferior.

É relevante notar que Jesus, quando se dirigiu a Judas, estava ciente de suas intenções, pois podia sondar-lhe a alma. Mas por que, então, não tentou impedi-lo?

Jesus, como constantemente repetiu, tinha vindo para cumprir a Lei. Como haviam previsto os antigos profetas, o Messias seria aquele que traria a mensagem redentora a Humanidade; porém, pela incompreensão dos Homens, seria por eles sacrificado. Assim, deixaria o exemplo indelével de renúncia e Amor incondicional por todos nós.

Para nós, desta narrativa, fica o ensinamento da necessidade de vigilância, em todos os momentos, para que não nos deixemos levar pelas nossas limitações e pelas influências negativas que nos cercam, mesmo quando nos propomos a trilhar o caminho do Bem.

EU SOU O CAMINHO A VERDADE E A VIDA

“Tomé lhe diz: ‘Senhor não sabemos aonde vais. Como podemos conhecer o caminho? ’ Diz-lhe Jesus: ‘Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vem ao Pai a não ser por mim. Se me conheceis, também conhecereis meu Pai. Desde agora o conheceis e o vistes.’.” (Jo 14:5-7).

Esta afirmação de Jesus: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida.”, está entre aquelas que se eternizaram através dos séculos, pois é uma síntese de sua doutrina, da natureza divina de sua mensagem e do propósito final. Com efeito, cada uma das palavras dessa afirmativa, contém todo um ensinamento. Vejamos:

O Caminho

O Espírito, bem sabemos, nasce simples e ignorante. Em sua jornada evolutiva há um impulso natural e constante ao aprendizado. Esse desejo de conhecer é, pois, o que anima a incansável busca do Espírito de se melhorar, de se aprimorar, tomando-o capaz de escolher a melhor trajetória para se evitar sofrimentos e aflições e alcançar a felicidade.

Na História da Humanidade, muitos foram os missionários enviados para nortear os Homens, resgatando-os da ignorância, e conduzindo-os para um caminho de sabedoria. No entanto, todos eles, em algum momento de suas missões, sentiram medo, hesitação, e, por vezes, equivocaram-se.

Em Jesus, encontramos o ápice desse ato de condução: condução amorosa, segura e exata para seguirmos rumo à plenitude.

A Verdade

Em nosso mundo temos um grandioso acervo, através de inúmeras obras, que nos trazem arte, cultura, ciência, filosofia e religiosidade. Especialmente em relação à religiosidade, são muitos os livros chamados sagrados.

Contudo, como a Humanidade é um constante avançar, esse conhecimento vai sendo depurado, aprimorado; vai se mantendo a essência divina e se extraindo as impropriedades, os desvios acrescentados pela natureza humana.

O ensino moral de Jesus, como afirma Kardec na Introdução de "O Evangelho Segundo o Espiritismo”, permanece inatacável, e prossegue: “É o terreno em que todos os cultos podem encontrar-se, a bandeira sob a qual todos podem abrigar-se, por mais diferentes que sejam as suas crenças. Porque nunca foi objeto de disputas religiosas, sempre e por toda parte provocadas pelos dogmas”.

A Vida

Aqui na Terra, muito grande ainda é o apego às coisas materiais, as paixões humanas. Essa condição, quando ao extremo, leva o Ser à “cegueira” para a verdadeira vida.

Essa circunstancia de “não ver”, de “não ouvir”, é, justamente, o que impede, temporariamente, o Homem de perceber suas potencialidades e se libertar do casulo da ignorância. Por isso, figuradamente falando, essa condição assemelha-se a morte: morte espiritual.

Jesus é Vida. Jesus é o Médico das Almas, eis que seus ensinamentos, seus exemplos, vêm despertar-nos do entorpecimento, da inação, do comodismo, para a plenitude da Vida.

SE ALGUEM ME AMA, GUARDARÁ MINHA PALAVRA

“Judas - não Iscariotes - lhe diz: ‘Senhor por que te manifestarás a nós e não ao mundo?’

Respondeu-lhe Jesus: ‘Se alguém me ama, guardará minha palavra e meu Pai o amará e a ele viremos e nele estabeleceremos morada. Quem não me ama não guarda minhas palavras; e minha palavra não é minha, mas do Pai que me enviou’.” (Jo 14:22-24).

Jesus, reiteradamente, dizia: “os que tiverem ouvido de ouvir ouçam”.

Notamos que Judas Tadeu, neste trecho, surpreende-se por Jesus fazer a eles revelações que não faria ao povo em geral. Nem todos estão prontos para certos conhecimentos. Lembremos a máxima: “Quando o discípulo está pronto, o Mestre aparece.” Os discípulos estavam prontos para a missão que lhes competia.

No Sermão do Cenáculo, Jesus fez muitas revelações que, repetimos, nem todos estavam preparados para ouvir. Mas, ao mesmo tempo, trouxe lições sublimes de perseverança, de fé, e, especialmente, do Amor incondicional.

O amor por Jesus traduz-se pela nossa perseverança em seguir os seus ensinamentos, ou seja, guardando a sua palavra, que representa a Lei Divina.

QUESTÃO REFLEXIVA

Comente a afirmação de Jesus: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida”.


Fonte da imagem: Internet Google.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

10ª Aula Parte B – CURSO APRENDIZES DO EVANGELHO 2º ANO – FEESP

O Sermão Profético (ou Discurso Escatológico) (Mt 24:1-44; Mt 25:31-46)

O Sermão Profético, também chamado de Discurso Escatológico, pronunciado por Jesus no Monte das Oliveiras, foi dirigido aos seus discípulos.

Jesus, nesse discurso, prediz, entre outras coisas, a destruição do grande Templo, a ruína de Jerusalém, o advento de muitas guerras, o surgimento de muitos falsos profetas, a perseguição aos discípulos, e, ainda, apresenta uma série de parábolas que conclamam a vigilância, ao trabalho e a perseverança no Bem.

Foi particularmente, repetimos, dirigido aos seus discípulos, pois, como muitas outras verdades, nem todos seriam capazes de suportá-las. Esse princípio, em especial aqui se aplica, pois quantos seriam capazes de ouvir tais profecias sobre o princípio das dores, as guerras, os morticínios, o final dos tempos? Quantos não acabariam por interpretar literalmente algumas frases usadas apenas em seu sentido figurado como: “as estrelas cairão do céu”?

Tudo tem seu momento. Os discípulos, enfim, estavam preparados para ouvir tais predições.

Este sermão é proferido logo após Jesus e seus discípulos terem deixado o Templo de Jerusalém, em um momento em que eles – os discípulos - tinham ficado muito impressionados com a magnitude e luxuosidade daquela construção suntuosa. Vejamos a narrativa de Mateus:

A DESTRUIÇÃO DO TEMPLO

“Jesus saiu do Templo, e como se afastava, os discípulos o alcançaram para fazê-lo notar as construções do Templo. Mas a eles respondeu-lhes: ‘Vedes tudo isso? Em verdade vos digo: não ficará aqui pedra sobre pedra: tudo será destruído’.” (Mt 24:1-2).

O Templo de Jerusalém, a época de Jesus, era uma construção colossal, e eram abundantes o mármore e o ouro, o que faria o historiador judeu, com cidadania romana, Flavio Josefo exclamar que não havia no Templo um só ponto que não encantasse os olhos e a alma.

Na obra “Dias Venturosos”, psicografado por Divaldo Franco, no episódio n° 11, Amélia Rodrigues descreve: “Jerusalém era uma cidade esplêndida, que ostentava seu suntuoso Templo no monte Moriá. Tratava-se de uma Edificação imponente, representando o orgulho da raça hebreia...” (...) “Ninguém que se adentrasse no Templo, que não se curvasse à sua grandiosa majestade. Colunas trabalhadas em pórfiro da melhor qualidade, formando átrios e salas sucessivas, atingia o máximo esplendor na parte interior; onde se encontrava o Santuário propriamente dito, em magnífico salão, no qual se guardavam os objetos sagrados, entre outros, a arca da aliança, os papiros e pergaminhos da mais recuada tradição.”

No entanto, essa beleza externa, contrastava com os sentimentos e intenções da maioria de seus frequentadores. Como prossegue a autora espiritual: “Rico de aparência, o monumento vivia vazio de fé e repleto do orgulho vão daqueles que o frequentavam. Dentro e fora ostentava poder e glória, fortuna e vaidade, mas também intrigas infinitas, rudes disputas, afrontas e misérias numerosas...”

Há, de fato, em muitos de nós, uma tendência de admirarmos as grandes obras externas, mais do que com as “obras internas”; de admirarmos mais as conquistas materiais do que as conquistas pessoais. É muito fácil ver o brilho do ouro; sábio, no entanto, é ‘ver’ as coisas de real valor.

De que serve um Templo, cujo objetivo e a adoração a Deus, se esse objetivo foi esquecido ou mutilado? Onde não existe respeito, amor, devoção, fraternidade, não existe a verdadeira religiosidade.

Esse Templo, conforme profetizou Jesus, foi arrasado no ano 7º d.C., pelo general romano Tito, e não restou ‘pedra sobre pedra’.

Allan Kardec, em “A Gênese”, cap. XVII, item 21, afirma: “A vista espiritual, que era permanente n’EIe, assim como a penetração do pensamento, devia lhe mostrar as circunstâncias e a época fatal. Pela mesma razão, Ele podia prever a ruína do Templo, a de Jerusalém, as infelicidades que iam atingir seus habitantes, e a dispersão dos judeus”.

Após a profecia da destruição do Templo, quando chegaram ao Monte das Oliveiras, os discípulos de Jesus, talvez tristes, melancólicos, talvez temerosos, perguntaram quando que isso iria acontecer, e o Mestre começa por anunciar-lhes o “princípio das dores”.

O PRINCÍPIO DAS DORES

“Jesus respondeu: ‘Atenção para que ninguém vos engane. Pois muitos virão em meu nome, dizendo: ‘O Cristo sou eu’, e enganarão a muitos. Haveis de ouvir falar sobre guerras e rumores de guerras. Cuidado para não vos alarmardes. É preciso que essas coisas aconteçam, mas ainda não é o fim. Pois se levantarão nação contra nação e reino contra reino. E haverá fome e terremotos em todos os lugares. Tudo isso será o princípio das dores. Nesse tempo, vos entregarão a tribulação e vos matarão, e sereis odiados de todos os povos por causa de meu nome. E então muitos sucumbirão, haverá traições e guerras intestinas. ‘Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo’. E este Evangelho do Reino será proclamado no mundo inteiro, como testamento para todas as nações. E então virá o fim.” (Mt 24:4-10 e 13-14).

As palavras, muitas vezes, podem impressionar mais do que os fatos. Isso porque elas trazem nossa consciência para determinados fatos que eventualmente não estávamos percebendo. Por vezes, quando não somos nós as “vítimas”, deixamos de notar muitas coisas, ou seja, tomamo-nos insensíveis.

É certo que em todos os tempos tem havido guerras, e os povos tem se agredido mutuamente. A própria história judaica é composta de conflitos armados, aflições, fome. Mas Jesus ressalta que todas essas coisas ainda acontecerão, pois é preciso que elas ocorram para que a Lei se cumpra.

Os mundos progridem, tal é a Lei. Mas se os homens tentam evitar esse progresso, obstruindo-o pelas más paixões, pelas perversões, pela dureza de coração, ocorrerão as grandes comoções morais e físicas para desperta-los. Kardec, comentando a questão n° 783 de “O Livro dos Espíritos”, assevera: “O homem não pode permanecer perpetuamente na ignorância, porque deve chegar ao fim determinado pela Providência...”

(...) “O homem geralmente não percebe, nessas comoções, mais do que a desordem e a confusão momentâneas que o atingem nos seus interesses materiais, mas aquele que eleva o seu pensamento acima dos interesses pessoais admira os desígnios da Previdência, que do mal faz surgir o bem. São a tempestade e o furacão que saneiam a atmosfera, depois de a haverem revolvido.”
Como não poderia deixar de ser, os discípulos de Jesus, como foi previsto, foram perseguidos e martirizados. Mas eles estavam preparados para a missão e a cumpriram com louvor.

Em relação a proclamação do “Evangelho do Reino” no mundo inteiro, temos o pleno conhecimento de que a mensagem de Jesus foi propagada por todo o mundo e cada dia mais se expande até que se tome universal aqui na Terra.

Mas o Mestre previu que, então, seria o fim.

Qual fim seria esse?

Quando o ensinamento sublime de Jesus tiver conquistado todos os corações aqui na Terra, ai será o fim: o fim do egoísmo, o fim da maldade, o fim da ignorância. Em outras palavras, como ensina o Espiritismo: será o fim dos tempos de um mundo de expiação e prova, para o início de um mundo de regeneração. Assim: “Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo.”

A GRANDE TRIBULAÇÃO DE JERUSALÉM

(...) “Pois naquele tempo haverá grande tribulação, tal como não houve desde o princípio do mundo até agora, nem tornará a haver jamais. E se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma vida se salvaria. Mas, por causa dos eleitos, aqueles dias sendo abreviados.” (Mt 24:21-22).

A luz da Doutrina Espírita, podemos, com serenidade, compreender muitas afirmações de Jesus que fazem diversas outras correntes religiosas debaterem-se, interminavelmente, quando procuram interpretá-las.

Em primeiro, sabemos que não existem “eleitos” no sentido teológico do termo, ou seja, Espíritos criados especialmente dotados de inteligência e moral. Há, sim, Espíritos que, mediante trabalho, esforço e luta, adquiriram reconhecida elevação e são, então, escolhidos para realizarem miss6es entre os homens.

Esses “eleitos”, nesse sentido, em todos os tempos, conduzem a Humanidade a um despertar, a um avanço, a uma renovação. Havendo, desse modo, avanço, muitas tribulações podem tornar-se desnecessárias. Eis o motivo porque “aqueles dias serão abreviados”.

Jerusalém, é certo, passou por seu tormento, e, devemos lembrar, ainda passa por algumas comoções; mas chegará o dia que todas essas agitações cessarão, todos os clamores desaparecerão, todas as vozes silenciarão... e, diga-se, não pela força, mas pelo Amor.

O ÚLTIMO JULGAMENTO

“Quando o Filho do Homem vier em sua glória, e todos os anjos com ele, então se assentará no trono de sua glória. E serão reunidas em sua presença todas as razões e ele separará os homens uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos bodes, e porá as ovelhas a sua direita e os bodes a sua esquerda. Então dirá o rei aos que estiverem a sua direita: ‘Vinde, benditos de meu Pai, recebei por herança o Reino preparado para vós desde a fundação do mundo. Pois tive fome e me destes de comer. Tive sede e me destes de beber Era forasteiro e me acolhestes. Estive nu e me vestistes, doente e me visitastes, preso e viestes ver-me ’. Então os justos lhe responderão: ‘Senhor quando foi que te vimos com fome e te alimentamos, com sede e te demos de beber? Que foi que te vimos forasteiro e te recolhemos ou nu e te vestimos? Quando foi que te vimos doente ou preso e fomos te ver? ’Ao que lhes responderá o rei: ‘Em verdade vos digo: cada vez que o fizestes a um desses meus irmãos mais pequeninos, a mim fizestes’. Em seguida, dirá aos que estiverem a sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno preparado para o diabo e para os seus anjos. Porque tive fome e não me destes de comer tive sede e não me destes de beber. Fui forasteiro e não me recolhestes. Estive nu e não me vestistes, doente e preso e não me visitastes’. Então, também eles responderão: ‘Senhor quando é que te vimos com fome ou com sede, forasteiro ou nu, doente ou preso, e não te socorremos? ’E ele responderá com estas palavras: ‘Em verdade vos digo: todas às vezes que o deixastes de fazer a um desses mais pequeninos, foi a mim que o deixastes de fazer’. E irão estes para o castigo eterno enquanto os justos irão para a vida eterna.” (Mt 25:31-46).

Deste poema de eterna beleza, sobressai a verdadeira essência do Cristianismo.

Não, não é uma religião dogmática, onde se cruzam os braços diante de imposições de conceitos teológicos; mas, onde, sim, é usada a inteligência, porém, principalmente, os sentimentos mais nobres são aflorados.

Não é um conjunto interminável de observância a ritos e práticas externas, mas, sim, é um esforço sincero em direção à renovação... renovação verdadeira que demanda atos positivos de bondade e compreensão.

Não é a simples convivência assídua entre seus adeptos, em encontros regimentalmente observados; mas é a união verdadeira, fraternal, que gera auxílio mútuo e se expande a todos os “próximos”, como fez o samaritano.

Ser cristão é perseverar, diariamente, para seguir os ensinamentos preciosos do Mestre Jesus, fazendo com que a cada dia sejamos melhores do que no dia anterior. Grandes passos são estes!

Aos que buscarem o Bem, em todos os momentos, auxiliando cada “pequenino” que encontrar no caminho, um dirá Jesus: “Vinde, benditos de meu Pai, recebei por herança o Reino preparado para vós desde a fundação do mundo”.

QUESTÃO REFLEXIVA

Temos empregado, em nossa vida, todo o potencial de amar de que somos capazes, para acolher os “pequeninos”?

Bibliografia
- A Bíblia de Jerusalém.
- Kardec, Allan - A Gênese - Ed. FEESP.
- Kardec, Allan - O Livro dos Espíritos - Ed. FEESP.
- Kardec, Allan - O Evangelho Segundo o Espiritismo - Ed. FEESP.
- Franco, Divaldo/Amélia Rodrigues - Ha Flores no Caminho.
- Franco, Divaldo/Amélia Rodrigues - Dias Venturosos.


Fonte da imagem: Internet Google.