CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO ESPÍRITA: PACIÊNCIA, INDULGENCIA, FÉ, HUMILDADE, DIGNIDADE E CARIDADE.

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

17ª AULA - CURSO PREPARATÓRIO DE ESPIRITISMO - FEESP

PARTE B: CONCEITO SOBRE MILAGRE

O milagre, entendido como “um ato do poder divino contrário às leis conhecidas da natureza”, implica na ideia de um fato sobrenatural, maravilhoso, impossível de ser explicado pela Ciência dos homens.

A ignorância, a superstição, os dogmas inibem a muitos de se dedicarem ao estudo dos ensinamentos dos Espíritos, com receio de pecarem, de irem para o inferno ou de serem envolvidos pelos demônios.

Diga-se, de início, deixando bem claro, que o Espiritismo não faz milagres, pois muitas pessoas desiludidas com as crenças dogmáticas, com as Ciências do homem ou com as dificuldades da vida material, se voltam para o mundo espiritual, buscando através de fenômenos medianímicos, a salvação ou eliminação de seus problemas econômicos, de saúde, sentimentais, etc.. E, muitas vezes, deixam-se envolver por charlatões e embusteiros ou se prendem a um fanatismo exacerbado. O ensinamento do Cristo, todavia, em relação às curas, é uniforme e se resume nestas afirmações:

a) a tua fé te curou

b) vai e não peques mais

Estas afirmações deixam claro que a imposição de mãos por Jesus, a dos médiuns, ou a intervenção dos Espíritos são lenitivos oferecidos ao aflito por razões muito diversas, cabendo a cada um examinar e compreender; segundo o discernimento que alcançou.

Não se deve esperar, pois, por milagres dos médiuns e do Espiritismo.

O conhecimento da Doutrina não se dá de um momento para outro, participando de algumas reuniões ou de algumas palestras, mas através da meditação, da reflexão e da vivência dos seus ensinamentos no aprendizado espírita-cristão. Somente assim o homem pode tornar-se médico de si mesmo, produzindo em si a Reforma Intima, buscando em si o homem novo, através do bom combate. Assim, conhecendo a verdade, ele se libertará da multidão de suas faltas. No decorrer do estudo, descobre-se:

A - “Que durante sua encarnação, o Espírito age sobre a matéria por intermédio de seu corpo fluídico ou Perispírito; o mesmo sucede fora da encarnação. Como Espírito, e na medida de suas capacidades, ele faz o que fazia como homem; somente, como não tem mais o seu corpo carnal como instrumento, serve-se, quando tal é necessário, dos órgãos materiais de um encarnado, que é chamado médium”.

B - “A intervenção de inteligências ocultas nos fenômenos espíritas não os torna mais miraculosos que todos os demais fenômenos devidos a agentes invisíveis, pois esses seres ocultos que povoam os espaços são uma das potências da natureza, potência essa, cuja ação é incessante sobre o mundo material, como sobre o mundo moral”.

C – “Que o Espiritismo, esclarecendo-nos acerca desse poder, nos dá a chave de uma multidão de coisas inexplicadas, e inexplicáveis por quaisquer outros meios, e que, em tempos recuados, puderam passar por prodígios; de modo semelhante ao magnetismo, ele revela uma lei, senão desconhecida, pelo menos mal compreendida; ou, dizendo melhor, conhecem-se os efeitos, pois são produzidos em todos os tempos, mas não se conhecia a lei; e a ignorância dessa lei é que engendrou a superstição. Conhecida essa lei, o maravilhoso desaparece, e os fenômenos voltam à ordem das coisas naturais... Aquele que pretendesse, com o auxílio dessa Ciência, fazer milagres, ou seria um ignorante do assunto ou um charlatão”.

D – “Que os Espíritos agem sobre os fluidos espirituais com o auxílio do pensamento e da vontade. (Gênese, cap. XIV, item 14) Os pensamentos imprimem a esses fluidos esta ou aquela direção; eles os aglomeram, os combinam ou os dispersam; formam, com esses materiais, conjunto que tenham aparência, forma ou cor determinadas; mudam suas propriedades como o químico altera as propriedades dos gases ou de outros corpos, combinando-os segundo determinadas leis. É a grande oficina ou laboratório da vida espiritual.

E – “Que o Espiritismo não faz milagres, mas o homem pode fazê-lo em si mesmo, vivenciando o aprendizado espírita-cristão, não em um dia ou um ano, mas minuto a minuto, durante séculos, corrigindo tendências, superando as influências da natureza animal e acrisolando a supremacia do Espírito sobre a matéria. Por isso, a cada um, segundo suas obras, conforme sua fé, seu discernimento e sua conduta devotada e abnegada à causa do bem”.

F – “Que existem leis naturais ou divinas reguladoras da ordem universal, às quais tudo é submetido, inclusive o Princípio Inteligente; mas a este, enquanto homem, por seu livre-arbítrio, sob pena de assumir, por sua responsabilidade, a expiação e o resgate posteriores”.

Foi isto o que disseram os Espíritos em O Livro dos Espíritos, na questão 123: “A sabedoria de Deus se encontra na liberdade de escolha que concede a cada um, porque assim cada um tem o mérito de suas obras”, confirmando Jesus “A cada um segundo suas obras”.

BIBLIOGRAFIA:

Kardec, Allan - O Evangelho Segundo o Espiritismo

Kardec, Allan - O Livro dos Espíritos

Kardec, Allan - A Gênese

QUESTIONÁRIO:

1 - Por que o Espiritismo não faz milagres?

2 - Deus não faz milagres. Explique o porquê.

3 - Qual o ensinamento de Jesus relacionado às curas que aconteciam?

Nenhum comentário:

Postar um comentário