CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO ESPÍRITA: PACIÊNCIA, INDULGENCIA, FÉ, HUMILDADE, DIGNIDADE E CARIDADE.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

21ª AULA - CURSO BÁSICO DE ESPIRITISMO 1º ANO - FEESP

PARTE C: MISSÃO DOS ESPÍRITAS

Assim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos, porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos (Matheus 20:16, 19:30; Marcos 10:31; Lucas 13:30).
No século passado, após ter vivido no mundo corpóreo como discípulo de Paulo de Tarso, Erasto, agora integrando a equipe do Espírito de Verdade, vem dar a seguinte comunicação: Não ouvis já se agitar a tempestade que deve assolar o Velho Mundo e tragar no nada a soma das iniquidades terrestres? A! bendizei o Senhor, vós que haveis posto vossa fé em sua soberana justiça e como novos apóstolos da crença revelada pelas vozes proféticas superiores, ides pregar o dogma novo da reencarnação e da elevação dos Espíritos, segundo tenham bem ou mal cumprido suas missões, e suportado suas provas terrestres (ESE, cap. XX, ítem ).

Esta mensagem prenuncia assim os novos fundamentos de uma doutrina dinâmica, antidogmática e progressista, profundamente alicerçada no Evangelho de Jesus Cristo, e em cuja estrutura estão contidas as leis da reencarnação e do progresso incessante dos Espíritos.

No dia de Pentecostes, logo após a crucificação de Jesus Cristo, os apóstolos reuniram-se a fim de traçar diretrizes para que não se apagasse o facho de luz por ele trazido ao mundo.

Sobre suas cabeças veio, como se fossem línguas de fogo, a chama viva de um idealismo puro, que fez com que neles desabrochasse a mediunidade comprobatória de que a mensagem do Cristo deveria ser levada a todos os povos, em todos os idiomas, num atestado eloquente de que a sua doutrina redentora tinha um cunho universal (Atos, 2:1-1).

Deste modo, o Espírito Erasto vem dizer que a centelha viva do mesmo idealismo está, como línguas de fogo, pairando sobre as cabeças dos verdadeiros espíritas, numa demonstração viva de serem eles os depositários de um legado sublime, qual seja o de levar a todos os quadrantes do mundo a Boa Nova do Espiritismo, doutrina do Cristianismo redivivo.

O Espiritismo encerra em sua estrutura o potencial necessário para conduzir a Humanidade à suas relevantes aspirações, ele não foi revelado com o escopo de suplantar ou destruir as demais religiões, mas com a finalidade superior de ajudá-las no propósito comum de comprovar a imortalidade da alma e de enfrentar uma luta sistemática contra as investiduras do materialismo desintegrador.

Os espíritas devem estar alertas sobre os percalços que encontrarão no caminho, quando estiverem animados do propósito de divulgar os postulados do Espiritismo. Os obstáculos serão inúmeros, pois os sábios exigirão provas, os poderosos duvidarão, os reacionários combaterão as ideias renovadoras, e apenas aqueles a quem Jesus chamou de “pequeninos” aceitarão, decididamente, as palavras dos pregadores. Para se dedicar à tarefa muito grande de apregoar o Espiritismo, é imprescindível o desprendimento, o trabalho incessante e até o sacrifício de muitas comodidades que a vida oferece.

Os espíritas têm missão significativa e definida no mundo, o Espiritismo é a Terceira Revelação, ou o cumprimento da promessa de Jesus Cristo sobre o advento do Espírito de Verdade – o Consolador, cuja tarefa básica é restaurar as excelsitudes da doutrina cristã em toda sua pureza e magnitude.

A missão dos espíritas consiste em algo mais do que simplesmente tentar convencer os homens sobre a excelência dos princípios básicos do Espiritismo. Importa, ainda, em revelar Deus através do trabalho constante, desinteressado, sem outra finalidade senão o amor ao próximo, estes serão, realmente, os últimos, mas os escolhidos na seara do Senhor.

Cabe ainda aos espíritas libertar o homem do domínio das superstições e da fé cega, procurando abolir costumes e práticas divorciadas dos ensinamentos cristãos, tais como a idolatria, os rituais exteriores e a crença em dogmas absurdos. Aos espíritas compete propugnar para que a humanidade se liberte dos preconceitos pelo conhecimento da verdade, divulgando os ensinamentos evangélicos livres dos agregados exteriores que lhes foram introduzidos no decorrer de séculos de obscurantismo e de atraso moral e espiritual; apresentar um Cristo vivo, atuante, esplendoroso e vibrante, a fim de suplantar o Cristo inerte, amargurado e derrotado que tem sido apresentado à humanidade, resgatando assim a mensagem de amor que ele nos deixou.

Frente a tais responsabilidades, muitos dos que se dizem espíritas omitem-se do cumprimento de seus deveres cristãos, envolvidos apenas pelas questões materiais, tornando-se difícil distingui-los dos verdadeiros discípulos de Jesus. Mas, os que estão no bom caminho, trazem em si a marca luminosa de sua vivência evangélica, pois, vós os reconhecereis pelos princípios de verdadeira caridade que eles professarão e praticarão; vós os reconhecereis pelo número das aflições às quais eles terão levado consolações; vós os reconhecereis pelo seu amor ao próximo, pela sua abnegação, pelo seu desinteresse pessoal; vós os reconhecereis, enfim, pelo triunfo dos seus princípios, porque Deus quer o triunfo da sua lei (ESE, cap. XX, item).

QUESTIONÁRIO:

C - MISSÃO DOS ESPÍRITAS:

1 - Assim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos. Comente

2 - Qual a verdadeira missão dos espíritas?

3 - Sob que aspecto poderíamos relacionar o dia de Pentecostes com a missão dos espíritas?


Fonte da imagem: Internet Google.

Nenhum comentário:

Postar um comentário