CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO ESPÍRITA: PACIÊNCIA, INDULGENCIA, FÉ, HUMILDADE, DIGNIDADE E CARIDADE.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

20ª AULA - CURSO BÁSICO DE ESPIRITISMO 1º ANO - FEESP

PARTE C: PAGAR O MAL COM O BEM

Tendes ouvido o que foi dito: “Amarás ao teu próximo e aborrecerás ao teu inimigo”. Mas eu vos digo: Amai os vossos inimigos, fazei o bem ao que vos odeia e orai pelos que vos perseguem e caluniam (Mateus 5:43-44; e Lucas, 6:27-28). Amar é mais abrangente do que sentir ternura.

Há um equívoco frequente quanto ao sentido da palavra amor. A emissão de um pensamento negativo gera uma corrente fluídica que causa penosa impressão.

O pensamento positivo envolve o ser num eflúvio agradável. É o que ocorre quando da aproximação de um inimigo, ou de um amigo. Assim, amar o inimigo parece uma recomendação, senão impossível, difícil de ser praticada, porque falsamente se supõe ter de dar a um e a outro o mesmo tratamento e o mesmo lugar no coração.

Amar os inimigos é não lhes ter ódio, nem rancor ou desejo de vingança. Muitos, embora não se mostrem positivamente inclinados à vingança perante o mal que recebem, demonstram atitudes de hostilidade indireta, como seja: o favor adiado, o fel da reprovação de permeio com o mel do elogio, o deliberado esquecimento quando se trata de honra ao mérito, ou a diminuição do entusiasmo na presença do serviço em favor da pessoa menos simpática.

Amar o desafeto é perdoar-lhe sem segunda intenção e incondicionalmente pelo mal que tenha feito. É abster-se, por atos e palavras, e até mesmo por pensamentos, de tudo o que possa prejudicá-lo. Ninguém está impossibilitado de proceder honestamente e apoiar os semelhantes com a força moral do bom exemplo.

Amar o inimigo é pagar-lhe em tudo, o mal com o bem, sem a intenção de humilhá-lo. Aquele, para quem a vida se resume no presente, vê no seu inimigo uma criatura perniciosa a perturbar lhe o sossego, do qual sempre cumpre desvencilhar-se; perdoá-lo até mesmo lhe parece, em certos casos, uma fraqueza indigna. Contudo, para aquele que reconhece a vida além do véu, perdoar é, na verdade, uma demonstração de fortaleza, pois reconhece credores nos seus antagonistas.

Mais ainda, agradece à divina providência serem os inimigos os instrumentos para o seu burilamento. Não coloca, portanto, nenhum obstáculo à reconciliação; antes, busca ser generoso para mais engrandecer-se aos seus próprios olhos e, com isto, mais facilmente distanciar-se do seu inimigo. O homem que ocupa uma posição mais elevada, não se considera ofendido pelos insultos que partem dos seus inferiores. Assim ocorre com aquele que se eleva no mundo moral, colocando-se acima dos acontecimentos que o envolvem.

O Mestre, em se referindo aos seus algozes, dirigiu-se ao Pai, rogando: "Perdoai-lhes, Pai, pois eles não sabem o que fazem" (Lucas, 23:34). Portanto, o homem de alma nobre nivelar-se-ia aos seus adversários, se desse guarida ao ódio e ao rancor. É preciso, diante dos inimigos, preservar a própria serenidade, renunciar à presunção de viver sem adversários que, em verdade, funcionam sempre por fiscais e examinadores, e saber continuar aproveitando-lhes o concurso para a própria paz interior.

Amar os inimigos não é, pois, ter para com eles uma afeição que não está na Natureza, porque o contato de um inimigo faz bater o coração de maneira bem diferente do de um amigo (ESE, cap. XII, item 3). O verbo amar significa estender-lhe a mão prestativa em caso de necessidade.

É procurar silenciar as rivalidades, preocupando-se antes em trazê-lo ao seu convívio fraternal.

O perdão é muito importante na vida de relação, e Jesus deu bastante ênfase à sua prática.

Certa vez, o apóstolo Pedro perguntou-lhe se era lícito perdoar ao seu irmão sete vezes, e o Mestre respondeu: Não sete vezes, mas setenta vezes sete (Mt, 18:22). O perdão não deve sofrer limitações; não deve ser dado por medida ou condicionalmente, mas ser amplo e irrestrito; por isso o Mestre respondeu ao apóstolo que não deveria perdoar ao seu irmão apenas sete vezes, e depois relegá-lo à própria sorte, impossibilitando qualquer sorte de entendimento.

QUESTIONÁRIO:

C - PAGAR O MAL COM O BEM:

1 - O que significa o verbo "amar" com relação aos inimigos?

2 - Como pagar o mal com o bem?

3 - Segundo Jesus, não se deve perdoar "só sete vezes, mas setenta vezes sete". Interprete.


Fonte da imagem: Internet Google.

Nenhum comentário:

Postar um comentário