CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO ESPÍRITA: PACIÊNCIA, INDULGENCIA, FÉ, HUMILDADE, DIGNIDADE E CARIDADE.

segunda-feira, 31 de março de 2014

4ª AULA - CURSO BASICO DE ESPIRITISMO 1º ANO - FEESP

PARTE A: CRIAÇÃO DOS MUNDOS E DOS SERES VIVOS

FORMAÇÃO DOS MUNDOS

Entende-se por Universo os astros e os mundos visíveis ou não, que se movem no espaço e tudo o que eles contêm: seres animados e inanimados, assim como os espaços e os fluidos que os cercam.

Conceber-se que o Universo tenha sido obra do acaso, é o mesmo que aceitar o relógio sem o relojoeiro.

Obviamente o Universo não pode ter gerado a si mesmo. Se assim fosse, confundir-se-ia com o próprio Deus. Por outro lado, se existisse por toda a eternidade sem ter sido criado, não poderia ser obra de Deus e também confundir-se-ia com Ele. Não resta outra opção de bom senso, senão a de que o Universo é obra de Deus.

Ninho gerador de toda massa incomensurável, o Fluido Universal era energia a princípio difusa, que após concentrar-se, foi-se fragmentando aos poucos em miríades de núcleos menores a agigantar-se e expandir-se em nuvens de partículas, que através dos milênios foram se transformando progressivamente em matéria, processo esse que se mantém até nossos dias a revelar a grandeza de Deus. A condensação dessa matéria espalhada no espaço infinito é que pontilhou-o de sóis, mundos, estrelas, astros, asteroides e cometas, com infinita variedade de massas, luminosidade e propriedades.

As forças de atração entre os corpos celestes mantém o equilíbrio de modo à posição de cada um deles permanecer estável em relação aos demais. Os cometas em suas órbitas aparentemente conflitantes com a clássica disciplina cósmica são um começo de condensação da matéria, mundos em via de formação. Cada corpo celeste tem a sua parte de influência, mas ela é restrita a certos aspectos físicos de equilíbrio de forças, como a Lua, por exemplo, que funciona como âncora da Terra. Mundos já completamente formados desaparecem, desintegram-se e sua matéria espalha-se novamente no espaço: Deus renova os mundos como renova os seres vivos (LE, perg. 41)

FORMAÇÃO DOS SERES VIVOS

No começo tudo era o caos; temperatura elevadíssima mantinha fundidos os elementos de sua constituição. As substâncias que hoje são líquidas eram gasosas enquanto que os sólidos eram líquidos. Só pouco a pouco tudo foi se acomodando até organizar-se o clima adequado ao aparecimento dos seres vivos.

Os gérmens responsáveis pela formação dos seres vivos estavam contidos na Terra em estado latente, aguardando o momento favorável para seu desenvolvimento. Os elementos orgânicos, antes da formação da Terra, estavam no espaço em estado fluídico, entre os Espíritos ou em outros planetas, aguardando a maturação do novo mundo para iniciarem uma nova existência em um novo mundo. Nos momentos propícios à eclosão, foram surgindo sucessivamente cada uma das espécies. Os seres de cada linhagem, por sua vez, foram se reunindo pela lei de afinidade e se multiplicaram.

Os homens já não se enquadram mais entre as espécies que se formaram espontaneamente como na sua origem, mas pode-se dizer que uma vez dispersos sobre a Terra, absorveram em si mesmos os elementos necessários à sua formação, para transmiti-los segundo as leis da reprodução. O mesmo aconteceu com as demais espécies de seres vivos ( LE, perg, 49)

Bibliografia:

LE- Cap.III - perg. 37 a 49

QUESTIONÁRIO:

A - FORMAÇÃO DOS MUNDOS E DOS SERES VIVOS:

1 - O que se pode entender por universo?

2 - Como se formam os mundos, segundo a Doutrina Espírita?


3 - Como surgiram os seres vivos na Terra?

Nenhum comentário:

Postar um comentário