CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO ESPÍRITA: PACIÊNCIA, INDULGENCIA, FÉ, HUMILDADE, DIGNIDADE E CARIDADE.

terça-feira, 28 de abril de 2015

6ª Aula Parte A – CURSO BÁSICO DE ESPIRITISMO 2º ANO - FEESP

LEI DE REPRODUÇÃO

POPULAÇÃO DO GLOBO - SUCESSÃO, APERFEIÇOAMENTO E DIVERSIDADE DAS RAÇAS - POVOAMENTO DA TERRA - OBSTÁCULO A REPRODUÇÃO - CASAMENTO - CELIBATO - POLIGAMIA - UNIÃO ESTÁVEL.

POPULAÇÃO DO GLOBO - Questão 686 do LE.

Embora não tenhamos conhecimento e nem mesmo a mínima ideia de quando fomos criados, a Doutrina Espírita nos ensina que percorremos os reinos inferiores da natureza, como Princípio Inteligente. Amealhando experiências em cada um dos reinos, nos capacitamos a, quando prontos, adentrarmos no reino hominal. Desta forma, somos criados simples e ignorantes, mas com capacidade de raciocinar e com a missão de progredir em todos os aspectos, através das múltiplas reencarnações, até alcançar a relativa perfeição.

A reprodução dos seres vivos é, portanto, uma lei natural, pois, sem ela, o mundo corpóreo desapareceria.

Contudo, não se deve deduzir que, havendo uma progressão constante de corpos físicos (para dar cumprimento ao princípio reencarnatório), o mundo material possa vir a ter uma população excessiva, cuja saturação levaria à escassez de meios e recursos de sobrevivência.

Deus a isso provê, mantendo sempre o equilíbrio, pois, o Plano Espiritual Superior nos assiste e nos fiscaliza permanentemente.

SUCESSÃO, APERFEIÇOAMENTO, DIVERSIDADE DAS RAÇAS E POVOAMENTO DA TERRA

A história nos conta a trajetória das raças humanas ao longo dos séculos e milênios. Como tudo em nosso mundo, as raças humanas aparecem, se desenvolvem, atingem o ápice da evolução e terão também o período de decrescimento e extinção. É a renovação como lei.

Somos todos da espécie humana e irmãos em Deus. O homem que surgiu em determinada região geográfica, com um clima peculiar daquela região, estimulando vida e hábitos diferentes de outros que surgiram em outras localidades, explicam as diferenças físicas e morais que distinguem as variedades da raça humana.

Esta diversidade proporciona ao Espírito em evolução oportunidades inúmeras de aprendizado, evolução e progresso, não só do Espírito, como da sociedade da qual ele pertence, ou poderá pertencer.

OBSTÁCULOS A REPRODUÇÃO

A reprodução dos seres vivos é uma Lei Natural e corresponde a necessidade no mecanismo da evolução.

O homem usando sua inteligência e capacidade de discernimento pode adotar certas precauções para regulá-la.

A reprodução excessiva de determinadas plantas ou animais pode ser nociva e prejudicial ao homem, nesse caso, pode-se perfeitamente impedir ou regular a reprodução.

Deus dotou o homem de inteligência e raciocínio para que seja seu aliado no equilíbrio das forças na natureza.

Os próprios animais concorrem para a harmonia e o equilíbrio dos seres vivos, pois, ao se nutrirem das espécies animais e vegetais segundo seus instintos de conservação detêm o desenvolvimento excessivo de tais espécies.

No entanto, em se tratando de seres humanos, deve o homem levar em conta sua responsabilidade em adotar métodos para controlar sua reprodução.

Deus permitiu ao homem descobrir os meios para esse controle, o que significa sua aprovação, entretanto, importa saber as razões que levam o homem a assim agir.

Quando a não observação da Lei de Reprodução se traduz por uma ação meramente sensual mostrando a predominância da matéria sobre o Espírito, revela-se sua condição de inferioridade e materialidade.

O homem, em busca de sua relativa perfeição, deve aprender a direcionar seu impulso sexual sublimando-o paulatinamente e de tal forma, que possa transformá-lo em novas fontes de energia.

CASAMENTO E CELIBATO – POLIGAMIA - UNIÃO ESTÁVEL

a) CASAMENTO E CELIBATO

“O casamento ou a união permanente de dois seres, como é obvio, implica o regime de vivência pelo qual duas criaturas se confiam uma à outra, no campo da assistência mútua.” (Vida e Sexo - cap. 7 – Emmanuel)

A Doutrina Espírita veio nos ensinai; para grande surpresa nossa, que a verdadeira vida é no Plano Espiritual.

Para as nossas experiências, expiações, provas, oportunidades de trabalho, e estudo, etc. e, sobretudo para o progresso e evolução em todos os aspectos, Deus nos deu as reencarnações.

Por meio das reencarnações, temos a única maneira de progredirmos ate alcançarmos a condição de Espíritos Puros. Condição essa, que todos nos, sem exceção, alcançaremos um dia, conforme promessa de nosso Mestre Jesus. “Sede vos logo perfeitos, como também vosso Pai celestial é perfeito.” (Mt, V:44-48)

O tempo que levaremos para atingir esse objetivo vai variar de Espírito para Espírito, pois é uma tarefa individual.

A união conjugal no Plano Espiritual se da através de almas afins, enquanto no Plano físico essas relações se dão, muitas vezes para reajustar uma situação criada em outras encarnações, onde esses Espíritos têm a oportunidade de se encontrarem para “provarem ou expiarem” através do convívio e com isso evoluírem Espiritualmente, se libertando daqueles laços que os prendiam.

Deus, com sua paciência e misericórdia infinita, aguarda o resultado dos nossos esforços sem nenhuma pressa ou pressão, leve o tempo que levar, mesmo porque, somos imortais. Tivemos um começo, mas não teremos fim.

Antes de retornarmos ao plano físico fazemos um planejamento reencarnatório onde nos comprometemos em receber; acolher e conviver com companheiros de aventuras infelizes com a promessa de socorro e oportunidade de reedificação, com a esperança de elevação, resgate, burilamento e melhoria. O Casamento ou união conjugal é uma dessas oportunidades onde se pode constituir uma família e quitar os débitos obtidos.

Celibato (do latim caelibatus) que significa “não casado” na sua definição literal é uma pessoa que se mantêm solteira, podendo manter relações sexuais, logo não precisa se manter casto. No entanto, o termo é popularmente usado para descrever uma pessoa que escolhe abster-se de atividades sexuais. (Wikipédia - dicionário)

O celibato quando decidido por motivos religiosos ou beneméritos, mediante juramento ou voto sagrado, se o propósito é de se consagrar e servir a coletividade, sem segunda intenção egoísta, esse sacrifício eleva o homem acima de sua condição material e um ato meritório, perante as Leis Divinas.

Contudo, quando o celibato é um ato voluntário, tendo como finalidade a fuga das responsabilidades que a constituição familiar exige, não pode ser considerado um estado ideal “... Os que vivem assim por egoísmo desagradam a Deus e enganam a todos (LE - pergunta 698)

b) POLIGAMIA

“Poligamia, do grego “muitos matrimônios”. No reino animal, a poligamia se refere à relação onde os animais mantêm mais de um vínculo sexual no período de reprodução. Nos humanos, a poligamia é um tipo de relacionamento amoroso e sexual entre mais de duas pessoas, por um período significativo de tempo ou por toda a vida. É permitida por algumas religiões e pela legislação de determinados países.”

A poligamia para ser uma lei natural deveria ser universal, mas, no entanto é utilizada, ainda, em alguns países pela legislação humana.

A abolição da prática poligâmica marca o progresso social, pois a monogamia é a união onde proporciona aos cônjuges a oportunidade de se conhecerem afetivamente e se elevarem moralmente através dos princípios de amor e fraternidade, respeito, constituindo a união ideal do raciocínio e do sentimento entre as almas eleitas.

“... o casamento segundo as vistas de Deus tem que se fundar na afeição dos seres que se unem. Na poligamia, não há afeição real: há apenas sensualidade...” (LE -pergunta 701)

c) UNIÃO ESTÁVEL

Nossa legislação, bem como a maioria dos outros países, permite a separação dos casais, através do desquite ou divórcio. As leis humanas vão se modificando, procurando acompanhar o progresso da civilização. A Doutrina Espírita concorda com essa posição, ponderando que é preferível a separação oficializada, mesmo porque nesses casos, a separação já é um fato consumado.

Partindo-se do princípio de que não há uniões ao acaso. O divórcio sendo uma lei humana, vem para legalizar um mal maior, ou seja, para interromper compromissos que poderiam causar danos maiores aos cônjuges, onde levaria muito mais tempo para resgatar.

O fato de uma separação em uma encarnação não quer dizer que os Espíritos deixarão de ter aquele compromisso, pois em outra oportunidade virão juntos, para resgatar o que sucumbiram nessa.

Espera-se que haja equilíbrio nos compromissos afetivos entre casais, para que não percam a oportunidade de construir a verdadeira libertação.

Os débitos que contabilizamos ficam gravados dentro de nós, para que em algum momento possamos quitar. O espírita, conhecedor das Leis de Deus, que são misericordiosas, porém justas, deve esforçar ao máximo para manter a união estável, evitando o rompimento.

BIBLIOGRAFIA:

KARDEC, Allan - O Livro dos Espíritos, questões 50 a 54 e 686 a 701;

KARDEC, Allan -A Gênese - cap. I, parágrafos 31 e 32; cap. VI, parágrafos 7, 24, 28, 32, 48 e 49; cap. VII, parágrafos 7, 24, 28, 32, 48 e 49; cap. X, parágrafos 26 a 30; cap. XI, parágrafos 15, 16, 23, 29, 32, 39, 41 e 42; cap. XII, parágrafos 25 e 26;

KARDEC, Allan - O Que é Espiritismo - questão 142;

KARDEC, Allan - Evangelho Segundo o Espiritismo - cap. XVII, itens 7 e II; cap. XXII, itens I a 5; cap. XVII, itens 3 e 10;

PIRES, José Herculano - O Homem no Mundo - Heloisa Pires, pág. 137;


Fonte da imagem: Internet Google.

2 comentários:

  1. Agora eu quero saber como são feitos os acordos para você receber um bebê! rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi norinha querida,

      Os "acordos" para os compromissos com os filhos são tratados no plano espiritual, antes de reencarnarmos.

      Filhos não nascem por acaso. Obedecem a lei de causa e efeito, bem como a lei de afinidades.

      De qualquer forma, a vida em família tem como fundamento principal os reajustes e ajuda mutua para a evolução dos membros da família.

      Não se esqueça que o planeta Terra é nossa escola de aprimoramento e o Lar é a nossa primeira sala de aula da vida eterna.

      Beijos.

      Excluir